Revista Comando Rock

10 09 2012

Os testes de QI revelam que o paulistano Roger Rocha Moreira é extremamente inteligente. Mas, nem precisava, pois basta uma rápida olhada em sua carreira para perceber isso facilmente. Afinal, o discreto e bem humorado líder do Ultraje a Rigor não apenas escreveu alguns dos hinos mais inteligentes e críticos do rock nacional como conseguiu sobreviver 30 anos nesse conturbado mercado da música brasileira sem perder um milímetro sequer de sua integridade artística e moral.

Virginiano perfeccionista e idealista ao extremo, Roger jamais abriu mão de tocar o que queria, do jeito que queria e com quem queria. Jamais embarcou em modinhas furadas, não fabricou escândalos para se promover, não mendigou nada para ninguém, não traiu a si mesmo. Enfrentou todas as turbulências da carreira de cabeça erguida e pé no chão. Enfim, Roger veio, viu e venceu!

Depois do megassucesso nos anos 80 e do sobe e desce das décadas seguintes, Roger chegou a 2012 intacto e ainda com pique de garotão, conquistando uma nova geração de fãs através do Twitter e do talk-show Agora é Tarde, onde o Ultraje é atração fixa.

Formado atualmente por Mingau (baixo e vocal), Bacalhau (bateria) e Marcos Kleine (guitarra), além de Roger (guitarra e vocal), o único integrante original da banda, o Ultraje a Rigor conquistou o direito de figurar entre as lendas do rock, cujo trabalho atemporal entrou para história da música jovem.

Nessa entrevista inédita e descontraída a Comando Rock, Roger deu uma geral nesses 30 anos de carreira, contou causos interessantes, revelou tragédias pessoais e, sobretudo, confirmou o que todos nós já sabíamos: que, além de extremamente inteligente, é também íntegro e talentoso. Um verdadeiro ultraje… à burrice e à mediocridade! Com vocês, o maior QI do rock brasileiro!

(Leia a entrevista completa na versão impressa da Comando Rock que já está nas bancas)

via Revista Comando Rock.