Drummerszone – Aquiles Priester

28 02 2020

In 1985, during ‘Rock In Rio’, he puts together his own drums using things like cans, ice cream pots and gas stripes and starts drumming in the back of his house. A year later, along with some school friends, he starts to dub a Brazilian band called “Ultraje a Rigor”… At this moment he discovered a great passion that would go along with him for the rest of his life.

Source: Drummerszone – Aquiles Priester





Militantes do Rock: conheça o movimento que polemizou

28 02 2020

Bandas como Legião Urbana, Capital Inicial, Ultraje a Rigor e muitas outras que inspiraram e ainda inspiram muitos jovens com suas reflexões não só políticas, mas existenciais.

Source: Militantes do Rock: conheça o movimento que polemizou





O Melhor da Semana – 17 à 22.02.2020

28 02 2020

Todo mundo sabe que quando estreou em 1987, Brega e Chique, trama do autor CassianoGabus Mendes, causou uma maior polêmica apresentando um modelo nu de costas em sua abertura, para ilustrar o   “Pelado, pelado, nu com a mão no bolso”  da música “Pelado” do Ultraje a Rigor, tema de abertura. Na atual reprise do Viva o Canal fez questão de manter a originalidade da  apresentação,   com direito a polêmica e tudo, e no segundo capítulo a abertura também veio com a folha de parreira cobrindo o bundão do Vinícius Manne. A Proibição do bumbum do modelo levou alguns dias para ser derrubada,  o que gerou ainda uma outra versão de abertura, exibida no quarto capítulo da trama, que na reprise foi ao ar neste sábado (22.02) – Nesta o Vinícius Manne   faz um efeito bumerangue, tipo aquele do Instagram, com o modelo indo e vindo sem mostrar nada.

Source: O Melhor da Semana – 17 à 22.02.2020





Com 3 frases, Roger Moreira define com exatidão a esquerda no Brasil | Jornal Fogo Cruzado DF

28 02 2020

O músico e conservador assíduo na internet, Roger Moreira, em uma publicação nas redes sociais, no sábado, 22, definiu com exatidão a esquerda brasileira e os prejuízos que tem causado à população …

Source: Com 3 frases, Roger Moreira define com exatidão a esquerda no Brasil | Jornal Fogo Cruzado DF





21 02 2020

Clássico absoluto do rock dos anos 80, “Nós Vamos Invadir Sua Praia” foi um marco na história da música brasileira. Roger (voz e guitarra), Leospa (bateria), Maurício (baixo) e Carlinhos (guitarra) apareceram fazendo um som completamente novo, cheio de frescor, com guitarras poderosas e letras sensacionais. Depois de dois compactos, lançaram esse extraordinário LP e conquistaram o Brasil. Todas as 11 faixas de “Nós Vamos Invadir sua Praia” (1985) foram hits nas rádios do país e são cantadas até hoje. Não é de se estranhar que tenha sido o primeiro álbum de rock nacional a ganhar disco de ouro e platina. Quem não se lembra da vaquinha Sara Lee da música “Marylou”, da emblemática “Inútil”, que virou hino de uma geração ou da faixa título, uma provocação bem humorada dos roqueiros paulistas aos cariocas, avisando que chegavam para fazer sucesso? O repertório fala por si só: “Nós Vamos Invadir sua Praia”, “Rebelde Sem Causa”, “Mim quer Tocar”, “Zoraide”, “Ciúmes”, “Inútil”, “Marylou”, “Jesse Go”, “Eu Me Amo”, “Se Você Sabia” e “Independente Futebol Clube”. O relançamento de “Nós Vamos Invadir Sua Praia” integra a série “Clássicos em Vinil”, da Polysom





37 anos sem Heavy Metal: músicos relembram histórica casa de Santos

21 02 2020

Roger Moreira – Ultraje a Rigor

 

Não me lembro exatamente do ano, mas deve ter sido em 1982 e em 1983 (primeiro show na Heavy Metal). Tocamos mais de uma vez lá. Eu soube da Heavy Metal através do rádio, quando estava em férias no litoral. Fui na cara-de-pau até Santos e falei com o dono (Toninho Campos). Foi uma conversa curiosa, pois eu não fazia ideia de quanto cobrar, ainda éramos amadores.Fiz um cálculo aproximado de quanto cobrávamos em São Paulo, mais despesas e chutei minha proposta. Ele, então, disse, em tom de brincadeira: “músico é uma merda mesmo, estou pagando mais do que isso!”. Mas pagou só o que eu pedi.De qualquer forma, era uma casa muito bonita, boa de se tocar, com um público bom. Foi importante para levarmos nosso som ao litoral paulista e foi uma das primeiras vezes que tocamos fora da Capital”.

Source: 37 anos sem Heavy Metal: músicos relembram histórica casa de Santos





Papo de Bola: jogue sempre com a gente – 24 Horas

20 02 2020

Papo de Bola: o Site – desde 2 de Junho de 2003 – jogue junto com este time

Source: Papo de Bola: jogue sempre com a gente – 24 Horas

Clipe do Dia (parte 1)

O Viva começa a exibir hoje “Brega & Chique”, novela de Cassiano Gabus Mendes que a Globo exibiu na faixa das 7 em 1987 e que foi reprisada pelo “Vale a Pena Ver de Novo” entre 1989 e 1990. A exibição será às 14h30 e à 0h40, substituindo a refilmagem de “Selva de Pedra”. Neste tópico, destacarei três canções da trilha nacional.

A primeira delas é o tema da Rafaela (Marília Pêra), a chique que vira brega: “Preciso Aprender a Só Ser”, com Caetano Veloso.

A segunda delas é o tema de Rosemere (Glória Menezes), a brega que vira chique, e Baltazar (Dennis Carvalho): “Pega Rapaz”, com Rita Lee e Roberto de Carvalho.

E a última é a clássica “Pelado”, do Ultraje a Rigor, o tema da controversa abertura com o modelo nu no encerramento. Aí deu uma confusão pois ainda eram os tempos finais da censura, botaram uma folha de parreira tapando a bunda do cara, mas o povo dobrou os conservadores e o ministro Paulo Brossard liberou o buzanfão do cidadão.





Marco Nanini lembra cenas, improvisos e crises de risos com Marília Pêra em ‘Brega & Chique’ – Televisão

19 02 2020

NU COM A MÃO NO BOLSO

Ao som da música “Pelado”, do Ultraje a Rigor, a abertura de “Brega & Chique” foi motivo de polêmica na época. Criada por Hans Donner, ela é lembrada até hoje por mostrar o modelo Vinícius Manne com a bunda de fora, seguindo literalmente o refrão da canção “Pelado, pelado, nu com a mão no bolso”. Em princípio, a censura implicou com a nudez e pediu que as nádegas fossem cobertas com uma folha de parreira. A Globo cumpriu a ordem e mudou a abertura para o segundo capítulo da trama. Mas os censores acharam que a folha deveria ser maior.  Após negociações, a versão original foi liberada e voltou a ser exibida. Se fosse hoje, o ator Marco Nanini diz acreditar que pediriam para colocar “uma trepadeira de uvas na frente [do bumbum] para ficar bem escondido”. “Eu acho que está pior que em 1987, porque há um moralismo muito grande, muito belicoso, uma coisa parcial… não sei. A gente vê uma obra de arte, uma comédia ou mesmo uma novela, cada um vê com seus olhos e é por isso que é bonita a arte. Você vai numa exposição e você interpreta aquilo… mas o tempo não é para isso [hoje]”, diz. Segundo ele, há uma patrulha maior, inclusive vinda do próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “É uma época mais triste”, afirma. (Karina Matias/FolhaPressSNG)’BREGA E CHIQUE’Quando: De seg. a sab., às 14h30 e à 0h45 (a partir do dia 19/02)

Source: Marco Nanini lembra cenas, improvisos e crises de risos com Marília Pêra em ‘Brega & Chique’ – Televisão





Ninguém gosta de música autoral. Infelizmente – Zambido bom – Medium

18 02 2020

Após escassos aplausos ao cantar Marina Lima e Ultraje a rigor, a moça — que era talentosa, só pra reiterar— , pediu permissão ao público (nem deveria ter feito isso…) para cantar duas músicas dela. Enquanto cantava, metade das pessoas que estavam na plateia voltaram para suas mesas para conversar ou foram no balcão comprar bebida. Eu fiz questão de ficar lá pra ver porque já sabia como iria ser o público nessa hora: gatos pingados que descaradamente fingiam que não ouviam, que nada estava acontecendo. No final, ninguém ou quase ninguém aplaudiu.

Source: Ninguém gosta de música autoral. Infelizmente – Zambido bom – Medium

Lembrando que TODA música é autoral…





Adolescentes, sexo e ‘cabeça feita’ – Prisma – R7 Eduardo Olimpio

18 02 2020

Os roqueiros do Ultraje a Rigor (autores da canção ‘Sexo’), assim como outras bandas do bom momento do rock brasileiro dos anos 1980/1990, deram uma grande contribuição para o debate nacional acerca de quase tudo que rolava na sociedade de costumes, nos campos da política, no relacionamento afetivo e sexual, enfim, na experiência da juventude em relação àquele tempo de transição política, comportamental e institucional.

Source: Adolescentes, sexo e ‘cabeça feita’ – Prisma – R7 Eduardo Olimpio